Carreira e bolsas de estudos

Como você pode obter residência permanente no Japão


A residência permanente no Japão ficou muito mais fácil e rápida de obter depois da nova lei que entra em vigor neste mês (março de 2017). Com ela, você pode se tornar residente permanente no Japão com apenas 1 ano de moradia. Entenda como isso pode lhe beneficiar. 

Recentemente foi publicado um artigo com o título traduzido “Esqueça se mudar para Canadá – agora ficou muito mais fácil ser residente permanente no Japão” e acredito que tenha gerado muita animação e expectativa. Para você que tá achando que é mentira, deixa eu esclarecer. Sim, isso é verdade. Não é mais uma dessas notícias fakes da internet. Trata-se de uma nova lei que entra em vigor neste mês (março de 2017) para os “profissionais de alto nível”. Com ela, é possível obter a a residência permanente no Japão em apenas um ano de moradia. Os profissionais são qualificados com pontuações, tais como possuir mestrado ou doutorado, certificados como JLPT, a sua idade, salário, etc.

Faz de tudo para salvar a Princesa Peach.

Entenda mais a fundo

Na verdade, desde 2012 o sistema de pontuação para profissionais de alto nível, também utilizado em Canadá, é utilizado no Japão. Não é muito conhecido, mas qualquer estrangeiro com mais de cinco anos no Japão pode fazer essa solicitação para ter a residência permanente.

A nova lei foi mais além. Visto a concorrência por recursos humanos de alta qualidade em diversos países, Japão decidiu diminuir o tempo de cinco anos para três para os profissionais que somam mais de 70 pontos (calma, explicarei lá embaixo) e aqueles que conseguirem mais de 80, em apenas 1 ano.

Na prática, existem duas categorias para profissionais de alto nível no Japão. Categoria um e dois. São bastante similares, mudando basicamente o período de residência de cinco anos para irrestrito. Essa nova lei te permite subir de categoria em apenas um ano.

Veja também:  JLPT & JLPT GT - Inscrições abertas!

Veja como você pode estudar no Japão de graça

Benefícios

Bom, e o que afinal de contas você pode fazer na terra do sol nascente? As vantagens são boas, veja só:

  1. Residência permanente: você vai poder morar no Japão por tempo indeterminado;
  2. Abrir ou administrar empresa do mesmo ramo de pesquisa: Diferente do Brasil é bastante comum uma pesquisa acadêmica ser a base de um empreendimento. RICOH (Universidade de Tsukuba) é um dos cases mais famosos. No EUA tem a HP como um exemplo (sim, é aquela impressora da tua casa que fica dando pau).
  3. Companhia: Você pode trazer seu cônjuge, seja casal do mesmo gênero ou não. Essa companhia naturalmente se estende para filhos e até pais em alguns casos. Há também situações onde pode trazer assistente doméstico.
  4. Prioridade na hora de solicitar Visto:  Recebe preferência e pode até sair em dias.

Para quem é?

O governo japonês desenhou três tipos de profissionais de alto nível para receber residência permanente no Japão.

1 – Pesquisadores acadêmicos: são pessoas com forte carreira acadêmica. 

2 – Técnico e especialistas: muitos confundem com o 1), mas são cientistas e pesquisadores que não estão necessariamente ligados a academia. 

3 – Executivos: pessoas que recebem um bom salário no Japão ou que ocupam cargos importantes. 

universitário
Já é possível sonhar e planejar desde o primeiro ano da faculdade.

Sistema de pontuação

OK, e como você sabe quantos pontos você tem para poder solicitar residência permanente no Japão? É só ver se você já tem ou atingiria alguns desses requisitos. O somatório tem que ser 80 pts ou mais para você poder solicitar em apenas um ano de moradia no Japão.  Mesmo que não consiga 80 pts, se atingir 70 pts, você ainda pode solicitar a residência permanente em três anos.

Veja também:  Kanji para iniciante

Vale ressaltar que não listei todos os requisitos, apenas os principais. A lista é extensa. Alguns itens em específico, a pontuação pode variar para cada profissional ou nem pontuar na hora de solicitar a residência permanente (veja a seção anterior).

Vamos para alguns exemplos de pontuação:


Idade
:

  • Ter menos de 29 anos…. 15 pts;
  • Ter menos de 34 anos….. 10 pts;
  • Ter menos de 39 anos….. 5 pts;

Nível acadêmico:

  • Ter mestrado….. 20 pts;
  • Ter doutorado….. 30 pts;
  • Ter graduação….. 10 pts;

PS: Caso tenha conseguido no Japão, vale mais ponto. A graduação não é válido para categoria pesquisador acadêmico.

Certificado:

  • Ter nível de proficiência em Língua Japonesa JLPT N1 ….. 15 pts;
  • Ser Advogada ou Advogado no Brasil ….. 5 pts;
  • Ter recebido prêmio de Design ….. 5 pts;

Veja aqui os principais benefícios de ter o certificado de proficiência em língua japonesa JLPT

Outros:

  • Ter patente na área …… 15 pts (ou 20 pts para pesquisador acadêmico);
  • Ter publicado três artigos em revista acadêmica (listada na base de dados) ….. 20 pts;

A lista vai além e depende de cada categoria. Há pontuação um pouco mais detalhado como trabalhar numa instituição ou empresa de inovação; ser CEO ou diretor numa dessas empresas; ter um salário acima de ¥400 0000 (aproximadamente R$110.000,00 / ano), etc.

Importante ressaltar que esse item de salário é obrigatório. Caso a pessoa não tenha pelo menos ¥300 0000 anual, ele não poderá solicitar a residência permanente. Mesmo assim, como a média do salário anual no Japão é ¥400 0000, provavelmente, não será uma dificuldade.

Você pode checar a planilha de pontuação completa disponibilizada pelo governo japonês aqui (em inglês).

Veja também:  Navegando nas raízes do mar de arvores (樹海)

Exemplo

Bom, mesmo que eu fale para você como funciona o sistema de pontuação acho difícil imaginar se você conseguiria ou não a residência permanente no Japão.

Por isso, fiz um exemplo ilustrado para você 🙂

Exemplo de residencia pemanente no japão por pontuação
Não se assuste com o salário, é atingível considerando comparado com a média do Japão.

Baixe mais uma ilustração de exemplo (Rodrigo, Programador) e essa da Marcela em HD! 

Conheça Marcela. Nesse exemplo, ela é uma designer de 28 anos. Como ela somou 80 pontos, ela está aprovada para solicitar residência permanente no Japão.

Esse mesmo exemplo serve para engenheiro, publicitário, biomédico, executivo, empreendedor, por aí vai.

Hiro, curti. Onde posso pesquisar melhor?

Clique aqui para acessar a página do Ministério de Justiça do Japão em inglês.

Esse daqui é o artigo original do Asahi Shinbun em japonês.

Espero que tenha te motivado mais para correr atrás do seu sonho de morar no Japão! Qualquer dúvida, estou aqui para te ajudar.

E aí, o que achou dessa nova lei do Japão? Me fala lá nos comentários para continuamos o papo 🙂

Parabéns! Ao ler esse texto, você acaba de aumentar 1 nível de carreira 🙂

Proficiência
100%

Gostou? Junte-se a mais de 1200 estudantes inteligentes de japonês e receba atualizações de artigos e dicas imperdíveis para melhorar a sua fluência no japonês!

 

Ah, compartilhe e ajude este artigo chegar às outras pessoas. Fará uma GRANDE diferença para mim. Arigatou 🙂

 

Nipobrasileiro arretado de Recife. Fundador do Kotobá – Japonês Simples! Acredita que a mudança vem pelo empoderamento das pessoas. Gosta de café, livros e passear de skate.